Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

O Dr. Pedro Passos Coelho traz consigo uma réstea de esperança

A recente e profunda alteração política ocorrida em Portugal tem merecido a minha interessada atenção .

No passado próximo vinha alinhando críticas intensas ao amiguismo que, a todos os níveis, servia para

colocar incompetentes em inúmeros lugares do Estado, com os lamentáveis resultados de todos nós

conhecidos e que tanto nos estão a fazer sofrer .

Daí até o poema com o título de " Jobs For The Boys ", constante do meu livro " Melodia Interrompida ",

poema esse que, aliás, até já fiz constar de um post anterior deste meu blog .

Só que o novo Primeiro-Ministro, o Dr. Pedro Passos Coelho, aparenta estar a trazer para a política

portuguesa uma nova postura, já traduzida em algumas louváveis atitudes .

Assinalo destas apenas as seguintes :

* em 1999 rejeitou a reforma vitalícia a que tinha direito pelo exercício do cargo de deputado ( de

acordo com uma legislação vergonhosa, " cozinhada " pelos parlamentares - ou paralamentares ? - no 

interesse deles próprios ), sendo o único deputado que, em 37 anos de existência da Assembleia da

República, assim procedeu ;

* tinha empenhado a sua palavra perante o Dr. Fernando Nobre no sentido de o apresentar, pelo PSD,

como candidato a Presidente da Assembleia da República .

Atenta a posição expressa no assunto pelo CDS, parceiro de coligação no Governo, podia ter recuado

por razões de estratégia, mas não o fez .

Manteve a sua palavra, mesmo que isso lhe viesse a provocar danos na imagem, em virtude da previsível

derrota .

Só que para mim isso terá até reforçado a sua imagem, pois mais importante do que tudo o resto é a

honradez da persistência na palavra dada ;

* a decisão da não nomeação de novos governadores civis, essas figuras desnecessárias, uma vez que

apenas serviam para colocação de " excedentários " do Governo, dos Gabinetes, da Assembleia da

República e de outros cargos públicos ;

* a determinação para a troca dos bilhetes de avião reservados em classe executiva para bilhetes em

classe económica, destinados à viagem de Estado a Bruxelas em 22 do corrente, deixando assim

assinalado de modo muito impressivo que os bons exemplos devem vir de cima, para serem em seguida

extensivos ao restante tecido social .

 

Parece que temos homem ! E bem precisamos dele e que ele nos motive para colaborarmos na tarefa

complexa, ingente e difícil que a todos nós cabe !

A derrota esmagadora do BE, a reacção à derrota do " Justiceiro do Quinto Esquerdo " e o futuro da organização

O Bloco de Esquerda sofreu uma derrota esmagadora nas recentes eleições legislativas, perdendo

metade do seu grupo parlamentar e, nele, o respectivo presidente, o deputado José Manuel Pureza .

Porém, o seu lider Francisco Louçã - ou o " Justiceiro do Quinto Esquerdo " como eu lhe chamo -,

sempre tão lesto a apontar os erros dos outros e a procurar extrair deles as devidas consequências,

não assumiu, demitindo-se, a primordial responsabilidade pela derrocada da organização, refugiando-se

no débil argumento da recente realização da convenção do Bloco .

Há, porém, não poucos bloquistas a pedir a cabeça de FL, por considerarem ter este errado de forma

clamorosa na estratégia eleitoral adoptada .

Só que o Bloco de Esquerda encontra-se assim entre dois fogos :

* ou mantém Louçã, apesar das suas erradíssimas opções, por considerar que só ele, à semelhança do

Marechal Tito, pode ter um papel aglutinador de uma organização constituída por grupelhos muito

diferentes ;

* ou substitue Louçã e corre o risco de, numa primeira fase, ver o Bloco desintegrar-se, tal como sucedeu

com a Jugoslávia, e, depois, desaparecerem alguns desses grupelhos, enquanto que outros resistirão,

embora em coma, com a dimensão do POUS ou de quejandos .

Que venha o Diabo e escolha ...

As eleições legislativas e a inutilidade das sondagens ( excepto para as empresas que ganham dinheiro a fazê-las )

Mais uma vez concluimos que as sondagens estão longe de ter relevância no tecido eleitoral

português, tanto mais que andaram a " embalar-nos " semanas a fio com a ficção do empate

técnico entre o PSD e o PS .

O primeiro e muito relevante condicionamento à sua utilidade resulta de, na sua esmagadora

maioria, as sondagens serem efectuadas em " contacto boca a boca " e não através da

introdução do voto em urna, única metodologia capaz de assegurar uma votação sem

constrangimentos .

E todos nós sabemos que, em sondagem realizada por contacto boca a boca, é enviezador

dos resultados o complexo de esquerda que ainda subsiste em Portugal .

Então para quê as sondagens com a metodologia que a esmagadora maioria delas utiliza ?

A resposta é rápida, linear e directa : para garantir negócio às empresas que as realizam e

com menores encargos do que utilizando o voto em urna .

Acresce que, nestas últimas eleições, os resultados eram facilmente previsíveis, pelo que bem

dispensavamos todos o " bombardeio " permanente a que fomos sujeitos .

Por minha parte recordarei, como demonstrativo da inutilidade de sondagens realizadas deste

modo, o que escrevi em anteriores posts do meu blog .

Em 2 de Abril de 2011 - " o Harakiri do PS "

Num partido chocantemente domesticado o ainda primeiro ministro teima em submeter-se ao

sufrágio .

O harakiri estará no final deste caminho sem retorno .

Em 29 de Maio de 2011 - " Francisco Louçã, a Esquerda Caviar e os Justiceiros "

Eu alcunhava Louçã de " Justiceiro do Terceiro Esquerdo " .

Só que, como é visível que a sua mensagem cada vez penetra menos nos eleitores, prevejo que

dentro de dias eu tenha que alterar o epíteto para " Justiceiro do Quinto Esquerdo " .

 

Como é visível, para extrair as conclusões que transcrevo acima não necessitei de quaiquer

sondagens .

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D