Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Recordando Coimbra

As aulas na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra tinham começado há três semanas .

Já se vivia o frenesim habitual entre aquela juventude, alegre mas também muito preocupada com

a preparação para uma futura vida profissional .

Dois alunos conversavam num intervalo das aulas, descontraindo um pouco .

Daniel : Ó pá, confesso que não te entendo ! Mas afinal o que é que tu encontras na Sandra ? Temos

algumas colegas boas como milho, mas a Sandra realmente ...

Francisco : Estás muito enganado, pá ! A Sandra é uma pérola . É quem tira os apontamentos mais

completos das aulas . Muito superiores até às próprias " sebentas " ...

A União Europeia e o Eixo Franco-Alemão : Bem Prega Frei Tomás !

Quando da instituição do Euro em 1 de Janeiro de 2002 foram definidos dois critérios de convergência

nominal a serem cumpridos pelos países da zona euro :

* um défice público igual ou inferior a 3% do produto interno bruto ( PIB ) ;

* uma dívida pública igual ou inferior a 60% do PIB .

Há largos meses que a dupla Merkel/Sarkozy se comporta como se a União Europeia não fosse composta

por 27 países, como se da zona euro não constassem 17, como se não existisse um país a presidir aos

destinos da União em cada semestre e como se não houvesse uma Comissão Europeia com um Presidente

e diversos Comissários .

Essa dupla julga-se a detentora absoluta das soluções capazes de recuperar a zona euro da actual crise ,

soluções essas a impor a todos os restantes países, atentos, veneradores e obrigados .

E qual é a autoridade moral da Alemanha e da França ?

NENHUMA !

Com efeito :

a) a Alemanha não cumpriu o limite máximo do défice público nos anos de 2002 ( 3,8% ), 2003 ( 4,2% ),

2004 ( 3,8% ), 2005 ( 3,3% ), 2009 ( 3,2% ) e 2010 ( 4,3% ) e falhou também o cumprimento quanto à

dívida pública ( violou-o todos os anos de 2002 a 2010, com o mínimo de 60,7% em 2002 e o máximo de

83,2% em 2010 );

b) a França não cumpriu o limite máximo  do défice público nos anos de 2002 (3,1% ), 2003 ( 4,1% ),

2004 ( 3,6% ), 2008 ( 3,3% ), 2009 ( 7,5% ) e 2010 ( 7,1% ) e falhou também o cumprimento quanto à

dívida pública ( violou-o sempre entre 2003 e 2010, com o mínimo de 62,9% em 2003 e o máximo de 82,3%

em 2010 ) .

Que sanções ou, pelo menos, advertências foram lançadas à Alemanha e à França em virtude de tão reiterados

incumprimentos ?

NENHUMAS !

E a dupla Merkel/Sarkozy, como se os percursos dos seus respectivos países fossem imaculados e um exemplo

para os restantes, não se coibe de criticar OUTROS incumpridores, alinhando propostas sancionatórias para

comportamentos que são muito semelhantes aos seus .

Bem prega Frei Tomás : Faz como ele diz, mas não faças como ele faz !

 

Reflexão sobre uma questão que está na ordem do dia : Os Feriados em Portugal

Muito se tem opinado nos últimos tempos sobre a questão dos feriados em Portugal, tendo surgido

as mais diversas opiniões .

Parece, contudo, possível considerar que existe um amplo consenso sobre alguns aspectos, a saber :

1º - o actual número de feriados em Portugal é excessivo e, embora haja alguns países na Europa

que até comemoram mais datas, o nosso país encontra-se muito acima da média europeia ;

2º - a decisão relativamente aos feriados religiosos tem que ser objecto de acordo com o Estado do

Vaticano, atenta a Concordata celebrada entre Portugal e a Santa Sé .

Por estes pontos se fica o consenso .

É que, quanto aos feriados a extinguir, as opiniões e as argumentações são mais do que muitas .

Os feriados existentes são em número de 14, sendo 7 civis ( 1º de Janeiro; Carnaval; 25 de Abril;

1 de Maio; 10 de Junho; 5 de Outubro; 1º de Dezembro ) e outros tantos religiosos ( Sexta-Feira

Santa; Domingo de Páscoa; Corpo de Deus; Assunção de Nossa Senhora; Todos os Santos; Imaculada

Conceição; Natal ) .

A Igreja, dentro do princípio de supressão de igual número de feriados civis e religiosos, já declarou

a sua opção pela extinção dos feriados do Corpo de Deus e da Assunção .

Já quanto aos feriados civis as opiniões que surgiram são muito diversificadas .

Vou expor em seguida a minha opinião sobre a matéria, na óptica da extinção de dois feriados civis .

De entre os sete existentes preconizo sem mais delongas a manutenção de :

1º de Janeiro

Carnaval

1º de Maio .

Dos restantes quatro advogo desde logo a extinção do 25 de Abril, dado que :

a) abarca apenas 37 anos da nossa longuíssima história;

b) o Estado Novo nunca atribuiu simbolismo bastante ao 28 de Maio, jamais o tendo estabelecido como

dia feriado .

Quanto ao actual 5 de Outubro é execrável e hoje em dia apenas comemorado por meia dúzia de velhos

jarretas e jacobinos . Aliás, assinala um período lamentável da nossa história - sucedeu na 1ª República

a maior repressão sindical de sempre ocorrida em Portugal ( 1911 ); ficou marcado pela retirada do

direito de voto a centenas de milhar de portugueses; reintroduziu a pena de morte, se bem que limitada

a crimes militares; retirou o direito de voto às mulheres ( ainda que poucas ) que já o possuiam na

Monarquia; atirou com o país para a guerra; silenciou de forma particularmente violenta todos aqueles

que não comungavam das suas ideias ; etc, etc .

Mas o 5 de Outubro, REFUNDADO,tem amplas virtualidades, nele se podendo e devendo mesmo integrar

o 25 de Abril e o 1ª de Dezembro, que seriam extintos - basta que nesse NOVO 5 de Outubro, assim

recuperado e dignificado, se comemore o 5 de Outubro de 1143 ( Tratado de Zamora ), incontroverso

embrião de Portugal .

Por último manteria o 10 de Junho, mas centrado apenas nas Comemorações da Diáspora das Comunidades

Portuguesas . Dele excluiria o Dia de Portugal ( que, de forma muito mais abrangente, ficaria integrado no

NOVO 5 de Outubro ) e o Dia de Camões ( que, aliás, nem se sabe em que dia faleceu e cujos restos mortais

só por ficção estão depositados na sepultura a que é feita referência ), mas sem que, com tal exclusão, isso

signifique que eu não reconheça a natureza universal desse grande português que foi Luis Vaz de Camões .

O 10 de Junho, celebrando, sem outros apêndices, as comunidades portuguesas espalhadas por todo o

Planeta, poderia e deveria ser um veículo capaz de manter e até de reforçar a sua ligação à Mãe Pátria,

ligação que vemos, ano a ano, cada vez mais frouxa e distante, em especial nas 2ª, 3ª e demais gerações

( nas quais, muitas vezes,já nem a língua portuguesa é conhecida e falada ) .

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D