Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Forum de hoje na Antena 1, entre as 11 e as 12 horas

O tema de hoje, no Forum, era a candidatura presidencial de Henrique Neto e outros considerandos sobre as eleições presidenciais .

Inscrevi-me para participar mas o tempo decorreu e não cheguei a ser contactado .

Se o tivesse sido ter-me-ia pronunciado mais ou menos desta forma :

O meu ponto principal a focar é que a independência dos candidatos relativamente aos partidos é uma pura mistificação .

Haverá algumas excepções, como será o caso de Henrique Neto que, embora simpatizante do PS, é uma voz livre e descomprometida .

Mas sabemos perfeitamente que candidatos destes não têm a menor hipótese de ser eleitos, submergidos por aqueles que se declaram independentes mas que verdadeiramente o não são .

A eleição vai, como sempre, decidir-se entre aqueles que, embora declarando-se independentes dos partidos e desejosos de serem o presidente de todos os portugueses, garantidamente não o serão .

Têm uma "famiglia" ( e uso a palavra italiana pelo significado que aqui lhe atribuo ) política da qual não descolam .

E os exemplos estão bem à vista . Vejamos :

* Ramalho Eanes que, tirando essa "escorregadela", foi o mais impoluto de todos, fomentou enquanto PR a criação de um partido político ( o PRD )

* Mário Soares foi o real chefe da oposição no seu 2º mandato

* Jorge Sampaio chegou ao extremo de demitir um Governo que tinha apoio maioritário na AR ( e escolheu, para o fazer, o momento mais adequado para o PS )

* Cavaco Silva tem uma percentagem brutal de rejeição pelos motivos que estão bem à vista .

E é algo deste tipo que podemos esperar que suceda com o próximo PR, seja ele qual for .

Apenas com um REI, verdadeiramente independente dos partidos, norteado apenas pelo interesse nacional e preparado desde o berço para o desempenho desse papel essencial seria possível evitar situações como aquelas que objectivamente deixei descritas .

 

Alguns políticos ( e ex-políticos ) portugueses são verdadeiros alquimistas na versão menos nobre

A alquimia é uma espécie de pré-química, ou seja de química ainda não científica, praticada na Idade Média pelos Árabes e depois pelos Ocidentais, a qual procura obter, principalmente pela transmutação dos corpos, o ouro, a panaceia e a chamada pedra filosofal ( Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, por J. Almeida Costa e A. Sampaio e Melo ) .

Na sua versão mais nobre a alquimia é uma filosofia que despreza os fins materiais mesquinhos, fixando-se o alquimista filósofo no aperfeiçoamento espiritual e individual .

"Só os falsos alquimistas é que procuram apenas fazer ouro ; os verdadeiros filósofos apenas desejam a ciência ; os primeiros apenas fazem tinturas, sofistificações, inépcias ; os outros inquirem dos princípios das coisas" ( J. J. Becher ) .

Ora alguns políticos e ex-políticos portugueses dedicam-se efectivamente à versão menos nobre da alquimia .

Mas há que reconhecer que o fazem com um inegável êxito - lamentam ganhar pouco na carreira política ( à qual apenas se dedicam pelo seu sentido de serviço ao país ... ), mas quando a abandonam, muitas vezes ao fim de um número reduzido de anos, ficam comodamente instalados na vida, com um acervo de bens que ultrapassa tudo o que seria previsível .

Não descobriram a pólvora, ... mas melhor do que isso ...

Poesia ... e modernices - uma visão possivelmente controversa

Li recentemente três livros de poesia bastante endeusados pela crítica .

Confesso antes : passei os olhos por eles, pois não os consegui ler por completo .

Neles não encontrei ritmo, harmonia, balanço, cor, musicalidade . Nada !

Eram meras tentativas, canhestramente levadas a cabo, de encadear frases tendentes a ombrear com a profundidade inigualável de um Agostinho da Silva .

Mas esses "aprendizes de feiticeiro" fariam melhor se o deixassem permanecer descansado no "assento etéreo" ao qual subiu, pois se ele tivesse possibilidade de os ler certamente ficaria envergonhado ...

Eram frases e frases sucessivas, dispostas como versos e com um encadeamento dificilmente compreensível ( se é que esse encadeamento existia mesmo ... ), que o próprio Champollion, se regressado à terra, se veria em tratos de polé para decifrar .

Arrumei os livros, com um amargo de boca .

E apeteceu-me lançar um sonoro grito de socorro ao Torga, à Florbela, ao Cesário Verde e ao Antero, congregando-os a virem salvar a poesia !

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D