Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

E se o Presidente Cavaco Silva renunciar ao mandato ?

As mensagens do Presidente da República a propósito das "movimentações" que pretendem transformar em vitória a clara derrota sofrida pelo PS nas recentes eleições legislativas não podiam ser mais claras .

A verdade, contudo, é que essas "movimentações" prosseguem e robustecem-se cada dia que passa, pois a sede do poder sobreleva todas as diferenças que ninguém desconhece existirem entre os programas do PS, do BE e do PCP ( e seu apêndice, o PEV ) .

Ainda não vi até hoje, entre os inúmeros comentadores que proliferam nas televisões e nas rádios, ser levantada a questão de uma eventual renúncia de Cavaco Silva ao cargo, caso, na sequência da rejeição do Governo PSD-CDS na Assembleia da República, lhe seja apresentada uma alternativa de Governo do PS com apoio integrado nele ( ou apenas parlamentar, como se antevê mais provável ) do BE e do PCP.

Se Cavaco Silva levar a sua coerência até ao fim é de esperar que recuse essa solução espúria .

Mas em que termos ?

Uma alternativa que não vi até hoje ser comentada seria a renúncia ao mandato, nos termos do disposto no artº 131º da Constituição da República, através de mensagem dirigida à Assembleia da República .

Nessa circunstância a substituição interina do PR ocorreria nos termos constantes do artº 132º da Constituição, assumindo funções o Presidente da Assembleia da República ou, no impedimento deste, o seu substituto .

Mas existem algumas limitações no exercício, pelo substituto, dos poderes que competem ao Presidente da República, limitações essas elencadas no artº 139º da Constituição .

Dessas limitações revestem o maior interesse, no desenvolvimento do imbróglio que se encontra instalado no nosso desgraçado país, as seguintes :

1ª - o Presidente da República interino não pode dissolver a Assembleia da República ( o nº 1 do artº 139º impede-o de praticar o acto previsto na al. e) do artº 133º ) ;

2ª - o Presidente da República interino só pode nomear o 1º Ministro após audição do Conselho de Estado ( o nº 2 do artº 139º assim estabelece em relação à al. f) do artº 133º ) .

Fico a aguardar com expectativa, enorme mas preocupada, os próximos episódios ...

O "camarada João" de regresso ao comando do PCTP/MRPP ?

Na sequência do afastamento de Garcia Pereira e de quatro acólitos da direcção do PCTP/MRPP começou a soar que Arnaldo Matos ( o "camarada João" na gíria do partido ) poderia regressar ao comando da instituição .

Passadas largas dezenas de anos e tendo em conta a "evolução" do "camarada João" desde os "tempos heroicos" do "combate antissocial fascista" não estamos seguros de que isso venha a acontecer .

Mas se vier a ser verdade já estou a ver o simpático Senhor Emílio, o proprietário do Restaurante Adega da Tia Matilde, preoupado com a perda de um tão importante cliente - é que o "ex-educador da classe operária" irá naturalmente deixar de almoçar opiparamente no restaurante em causa, "despedindo-se" de vinhos de marca e de um whisky velho ao fim da refeição ...

O contributo inestimável de Cavaco Silva para a eleição de Ferro Rodrigues

Cavaco Silva, como, aliás, era altamente provável, comunicou ao país ter indigitado Pedro Passos Coelho para chefiar o Governo .

Até aqui tudo normal e previsível .

Só que o Presidente da República exorbitou de forma nítida ao alargar os fundamentos normais da indigitação, emitindo uma verdadeira "fatwa" contra a esquerda política de Portugal, nas suas variadas e pouco articuláveis nuances .

Tal pronunciamento mereceu de imediato críticas ferozes por parte do PS, do BE e do PCP ( e seus acólitos, o PEV ) .

São, porém, críticas injustas .

É que Cavaco Silva, com essa extemporânea diatribe, facilitou a vida ao PS, robustecendo-o com um cerrar de fileiras que nem sequer excluiu a ala segurista .

Daí que as dúvidas que haveria na eleição de Ferro Rodrigues como Presidente da Assembleia da República - a segunda figura do Estado - ( esse mesmo Ferro Rodrigues que cumpriu um mandato mais do que obscuro como Presidente do Grupo Parlamentar do PS ) se tenham dissipado como que por milagre .

Só que não foi milagre, não .

Foi a "mãozinha" de Cavaco Silva a ajudar, com a sua lamentável encenação .

E resta saber se a "ajuda" acabará por ficar por aí ...

 

O alquimista do século XXI

A alquimia, no domínio material, pretendia obter a transmutação dos metais vis em ouro e prata por uma substância ( "fermento" ) designada por pedra filosofal ( Verbo - Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura ) .

António Costa é, claramente, o alquimista do século XXI .

Depois de ter "transformado" a vitória de António José Seguro ( se bem que "poucochinha" ) em derrota, tenta agora fazer o mesmo à vitória ( também algo "poucochinha" mas por ninguém esperada - muito menos por António Costa - há meia dúzia de meses ) da coligação PàF nas recentes eleições legislativas .

Só que a tarefa, no imediato ou, pelo menos, a curto ou médio prazo, é ainda mais difícil e complexa do que a realizada pelos alquimistas de há séculos .

Tratar cobre com ácidos corrosivos não pode levar a bons resultados ...

As buscas genealógicas de António Costa : meios-irmãos e segundos-primos

António Costa, depois da sua derrota "poucochinha" nas eleições legislativas, tem andado numa fona .

Por um lado "gasta-se" procurando justificar a não apresentação da sua demissão do cargo, demissão que seria uma atitude honesta e adequada e à qual não deveria fugir .

Para além disso "distribui-se", negociando à esquerda e à direita, desse modo tendo em vista mostrar-se vivo e são, recuperando do AVC que sofreu nas eleições .

Como se não bastasse encontra-se ainda enfronhado em laboriosas pesquisas genealógicas, indispensáveis para a sua opção final em matéria de consensos políticos .

É que António Costa procura afanosamente concluir se possue meios-irmãos ou, ao invés, segundos-primos.

O quociente intelectual e a matrícula dos veículos

Um conhecido meu tem notórias limitações de inteligência .

É curiosa, porém, a consciência plena que tem dessas limitações .

Assim, mal começaram a surgir veículos automóveis matriculados com as letras QI colocadas entre os quatro algarismos da praxe, não descansou enquanto não foi ao stand do qual é cliente habitual para encomendar uma nova viatura .

Não interessa a marca, disse ele . O essencial é que o QI seja adequado ao meu estatuto .

O proprietário do stand, tendo em conta a relevância do cliente, colocou de imediato mãos à obra .

E, passado o período no qual cinco chineses endinheirados lutaram ferozmente pela matrícula 88-QI-88, deslocou-se todos os dias durante uma semana ao IMTT para procurar satisfazer da melhor maneira o seu cliente .

Já tenho o seu novo carro, telefonou ele ao meu conhecido . Venha cá logo que lhe calhe .

No contacto pessoal subsequente o cliente mostrou-se muito satisfeito com a matrícula 99-QI-99 e agradeceu o trabalho realizado .

Realmente foi um esforço enorme, respondeu o proprietário do stand . E, além do mais, tenha ainda em atenção que ficou bastante beneficiado !

Adeus, António Costa ! É que poucochinho, nem para amostra

Todos continuamos a recordar o modo execrável como António Costa desencadeou  o processo para defenestrar António José Seguro de secretário-geral do PS .

Na altura o argumento apresentado ( todos sabemos que a razão real foi o voraz apetite pelo poder, sem olhar a meios ) terá assentado na vitória ( poucochinha ) no acto eleitoral que tinha tido lugar .

Depois, grandes expectativas que se foram esboroando ao longo do tempo, até desembocarem no péssimo resultado do PS nas legislativas de hoje .

Nem vitória poucochinha nem sequer vitória .

Adeus, António Costa .

Volta, António José Seguro, estás perdoado . Ou antes perdoado não, pois não cometeste nenhum pecado .

Pedão precisaria António Costa, só que esse não o merece .

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D