Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

O Estado Português não é uma pessoa de bem - As pensões de aposentação e de reforma em tratos de polé

O Estado Português realmente não é uma pessoa de bem .

Para assim concluir basta compararmos o seu comportamento em matéria de pensões de

aposentação dos trabalhadores da administração pública e de reforma da segurança social

com o que se passa, por exemplo, na Confederação Helvética .

Nesta, com efeito, não se enganam os beneficiários, ao contrário do que sucede em Portugal

com o Governo " sucialista " - os beneficiários lá são alertados para o facto de não existirem

reformas públicas de montante superior a 1700,00 € .

Caso os beneficiários entendam que tal montante virá a ser-lhes insuficiente no futuro, existem

mecanismos complementares ( aliás há PPR's obrigatórios ) que permitem majorar a pensão -

são os chamados 2º e 3º pilares .

As regras do jogo estão claramente definidas : o Estado não engana ninguém, mas, para além

disso, faz apelo ao sentido de responsabilidade dos beneficiários, levando-os a pensar no futuro .

Em Portugal, ao invés, faz-se acreditar aos beneficiários que ao descontar sobre a totalidade das

remunerações auferidas e ao conhecerem a forma de cálculo existente lhes estará assegurada

uma reforma minimamente satisfatória .

Só que, depois do " jogo " ter começado, alteram-se unilateralmente as regras, prejudicando-se

os beneficiários numa ou em várias vertentes :

* mudando a forma de cálculo da pensão, através da ampliação do número de anos com registo

de retribuições a utilizar para o efeito ;

* subindo a idade para acesso à pensão sem suportar penalizações ;

* reforçando as penalizações em caso de acesso à pensão antecipada ;

* aumentando uma e outra vez a carga fiscal incidente sobre as pensões ;

* suspendendo a actualização anual das pensões ;

* etc., etc., etc.

Trata-se - é lamentável mas também é indiscutível - de um Estado predador e flibusteiro .

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D