Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chaise-Longue

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

Site de poesia, pensamentos, análise política e social, polémica, pontos de vista, interrogações e inquietações . Aparece de quando em vez, sem obrigações calendarizadas .

A luta pelo título da República das Bananas

Mais de um mês passado sobre a data em que os norte-americanos votaram nas eleições presidenciais o Colégio Eleitoral dos EUA conseguiu finalmente definir quem ganhou essas eleições !

Os EUA estão assim numa luta muito renhida com Portugal e com alguns outros poucos países para ganhar o título da principal República das Bananas no mundo .

O dinheiro é tão bonito, tão bonito o maganão !

 António Costa há muito tempo que já nos habituou a um percurso de vida em que todos os meios são utilizáveis para atingir os fins que tem em vista .

Mais uma vez isso aconteceu .

Enquanto o "musculado" Ministro dos Negócios Estrangeiros refere com frequência a defesa e o respeito do Estado de Direito ( salvo quando alguém se mete com o PS ... ), no Conselho da União Europeia -à porta fechada, claro- Portugal criticou a necessidade de ser respeitado o Estado de Direito como condição para o recebimento de verbas dos fundos europeus . 

Tenta assim sugerir uma forma para superar os vetos da Hungria e da Polónia, que colocam em grave risco o acesso às elevadas verbas da UE .

E como elas fazem falta a Portugal, não só mas também para "alimentar" as propostas de uma esquerda que vai continuando a escorar um Governo em cacos .

O dinheiro é tão bonito, tão bonito o maganão !

Continuo à espera de um jornalista corajoso e não refém do poder

Confesso que não tinha grandes expectativas mas, apesar disso, tenho procurado, dia após dia, lobrigar um jornalista que se "atreva" ( numa multidão de yesmen ) a perguntar ao Primeiro-Ministro se agora se arroga o direito de se substituir ao Tribunal Constitucional que, no uso dos poderes que lhe estão atribuídos, considerou o Chega um partido legítimo . 

Só que o silêncio, nesta como noutras matérias sensíveis, é absolutamente sepulcral .

O calculismo de Marcelo Rebelo de Sousa continua a manifestar-se

Agora, a (des)propósito da solução governativa desenhada para a Região Autónoma dos Açores, o Presidente da República perorou :

* uma coisa é aprovar a solução por ser constitucional, outra é gostar dela ;

* quando da geringonça nacional Cavaco Silva também não terá gostado dela, embora naturalmente por razões diferentes das minhas .

E, fazendo futerologia -que é algo que muito aprecia  -, MRS sempre foi acrescentando que o apoio do Chega terá um preço para o PSD .

Calculismo a rodos, na tentativa de limitar os danos em consequência da candidatura de Ana Gomes à PR ...

As reacções da esquerda ao acordo nos Açores têm apenas dois motivos : ressabiamento e medo

O PS ainda não se habituou à perda do poder na Região Autónoma dos Açores.

Desde logo mostra um enorme lapso de memória sobre o que tinha feito em 2015 depois de ter perdido as eleições .

Agora, acolitado em especial pelo BE, esgrime tudo o que pode, não excluindo sequer puras falsidades .

Mas essas reacções têm apenas duas causas .

A primeira é o ressabiamento pela perda dos lugares à manjedoura .

A segunda é o medo, intenso, de que, no futuro, a solução possa ser alargada ao todo nacional em próximas eleições .

E, se assim viesse a suceder, lá estariam o PSD e os seus acompanhantes a tentar emendar de novo a bancarrota em que, mais uma vez, o PS colocara o país .

A entrevista do Presidente da República

Foi uma entrevista soft, conduzida por um jornalista que foi tudo menos incómodo, pelo que não justifica extensos comentários .

A propósito do seu conteúdo, pelo menos para mim, o ponto mais relevante foi quando o PR referiu que o estado de emergência visa, entre outros objectivos, criar condições para limitar a liberdade de circulação, dando mais força jurídica às decisões do Governo . 

Foi, assim, o reconhecimento tácito de que as limitações que vigoraram entre 30 de Outubro e 3 de Novembro padeceram de clara inconstitucionalidade .

Para além desse ponto assinalo mais dois que o entrevistador poderia ter explorado, caso não tivesse sido tão atento, venerador e obrigado :

1º - quando Marcelo referiu que as pessoas se cansam das conferências de imprensa podia ter-lhe perguntado se não teme que as pessoas se cansem também das sua s excessivas aparições ;

2º - quando o PR recordou a sua intenção de não se recandidatar caso se tivesse repetido a dimensão brutal dos incêndios de 2017 podia ter sido confrontado com outras duas intenções que não foram cumpridas :

  2.1. sobre o AO90 o PR chegou a declarar dever ser ponderado o acordo, atenta a situação de dúvida e de não aceitação por parte de alguns países de língua oficial portuguesa . Essa situação mantém-se mas o PR "abandonou" o assunto ;

  2.2. quando da redução do horário de trabalho semanal na Administração Pública das 40 para as 35 horas o PR, ao promulgar o diploma que fixou o regime, afirmou, de forma clara, que se viesse a ocorrer aumento de despesa submeteria o assunto ao Tribunal Constitucional .

Ora, tendo sido o aumento de despesa indiscutível, lamenta-se o incumprimento da promessa por parte do PR . 

A desfaçatez de Carlos César

Carlos César, comentando os resultados das eleições legislativas na Região Autónoma dos Açores, teve a desfaçatez de declarar que Vasco Cordeiro tem uma missão complexa à sua frente para formar Governo, mas tem o direito e o dever, determinado pelos resultados do sufrágio, de o fazer .

Direito que reconhece a Vasco Cordeiro mas que recusou, bem como todo o PS, a Passos Coelho quando este ganhou as eleições nacionais em 2015 .

É o peso brutal da partidarite a embotar o raciocínio .

A pontaria falhada do Conselho Superior da Magistratura

O Conselho Superior da Magistratura quer que o Processo Marquês termine rapidamente e, visando esse objectivo, oficiou Ivo Rosa para a necessidade de ler a decisão instrutória ainda no decurso do corrente mês .

Claramente uma pontaria falhada do CSM .

Quando se tem tornado evidente que o juiz do processo toma decisões que :

* não respeitam a lei ou a jurisprudência

* se revelam impeditivas dos poderes de investigação do Mº Pº,

a actuação do CSM devia - tinha mesmo - de ser outra .

O juiz Ivo Rosa já tem 12 ou 13 decisões revogadas pelo Tribunal da Relação, em alguns casos com críticas bem acerbas .

Perante esse lamentável historial, que objectivamente só tem atrasado o desenrolar do processo, o que o CSM devia determinar era uma inspecção ao juiz Ivo Rosa ( o juiz do empata ... ) para análise da sua actuação no Processo Marquês .

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D